Bem Vindos

Blog criado para mostrar Fotografias que vou tirando por este mundo fora.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Pela 22ª Meia Maratona de Lisboa EDP


História de Como tudo Começou - Meia Maratona de Lisboa

A Meia Maratona de Lisboa nasceu da vontade de um pequeno grupo de pessoas de ver Lisboa invadida por gente anónima que, atravessando a Ponte 25 de Abril, poderia descobrir e desfrutar de forma totalmente diferente de locais que habitualmente são monopólio dos automóveis. Um desafio imenso para a época.

Foi à mesa de um restaurante, olhando a grande ponte, imponente na sua estrutura de aço e com os seus gigantes pés a mergulhar no Tejo, que a ideia surge na cabeça de Carlos Móia.

Lá fora já se fazia, mas em Portugal, ainda um país de hábitos conservadores, o desafio teria de vencer muitas barreiras. “Recordo que havia a ideia de que atravessar a ponte a pé era perigoso. O assunto tinha de ir ao governo, percebi logo que o caminho burocrático ia ser longo e demorado. Falei com Francisco Lucas Pires, meu amigo, companheiro de outras aventuras e sabedor de que caminhos devia seguir para levar por diante esta ‘louca’ ideia. Agendou uma audiência com o Dr. Mário Soares, ao tempo Presidente da República, ele levou o assunto ao Eng.º Ferreira do Amaral, Ministro das Obras Públicas. A partir daí foi só o silêncio de muitos dias. Não desisti, pedi uma audiência ao ministro, que me comunicou que teria de esperar por um parecer do gabinete de construção responsável pela ponte, nos Estados Unidos, para saber se a estrutura aguentava com uma prova destas. Sem isso, nada feito! Pensei que não havia vontade política e lamentei-me disso mesmo, mas não desisti, e a insistência foi tanta, que o ministro acabou por me dizer que daria a autorização se eu assumisse a responsabilidade substituindo-me ao parecer solicitado. Obviamente que não assumi. Confesso que o medo foi superior à vontade de avançar. Se o ministro tinha sentido necessidade de pedir um parecer aos técnicos da empresa de Eiffel que a construíra, quem era eu para assumir tamanha responsabilidade?”
“A informação por que tanto ansiava também não tardou: não havia perigo, o tabuleiro aguentava o desafio sem problemas. Montei a equipa numa operação‑relâmpago: Mário Machado, Rafael Marques e Reinaldo Gomes foram as traves‑mestras, outros se foram juntando".

Depois de aprovada a travessia da ponte, foi tempo de ganhar o apoio do Presidente da Câmara de Lisboa, Dr. Jorge Sampaio. “Foi um porto de abrigo seguro”, recorda Carlos Móia, “percebeu logo a importância que a prova teria para a projecção da cidade, foi um dos que sempre acreditaram nas potencialidades que a Meia Maratona viria a alcançar com o passar dos anos.” E assim foi, Sampaio esteve ligado ao arranque da prova que, anos mais tarde, já Presidente da República, viria a correr.

Foi em 17 de Março de 1991 que começou a história da Meia Maratona de forma oficial, com o Ministro da Educação, que tutelava o desporto, Roberto Carneiro, a fazer parte do grupo de pessoas que primeiro atravessaram a pé a Ponte 25 de Abril.

Rosa Mota foi figura de cartaz. Acabara de saber que as revistas americanas Track & Field News e Runners World, espécie de bíblia e alcorão das corridas, a tinham elegido maratonista do ano. “A Rosa foi o primeiro nome de que me lembrei quando já estava certo que íamos conseguir arrancar com a prova. Houve quem me dissesse que era melhor ter juízo, que qualquer maratonista como ela exigiria mais de 50 mil dólares de cachet, mas não só me disse logo que sim, como disse também que não cobraria um tostão. Diz muito do que foi como atleta, mas principalmente do seu carácter”, relembra Móia.

A experiência já banal noutras grandes cidades do mundo era, contudo, uma novidade em Lisboa, e atravessar a ponte a pé era toda uma descoberta. “Tive tanto medo, que nem sequer me atrevi a olhar para baixo. Durante muitos metros, fechei os olhos para não me assustar”, assim recorda Rosa Mota essa experiência do agora já distante ano de 1991.

De lá para cá, já por aqui passaram campeões olímpicos, recordistas mundiais, treinadores de futebol, presidentes da República e primeiros-ministros, mas, acima de tudo, aquilo que verdadeiramente torna esta prova única são os milhares e milhares de pessoas anónimas que vivem a alegria de poder atravessar a ponte a pé.




Cristo - Rei

A estátua de Cristo Redentor, existente no Rio de Janeiro, no Brasil, inspirou, em 1934, durante uma visita àquela cidade, o Cardeal Patriarca de Lisboa de então, Dom Manuel Gonçalves Cerejeira, a construir um monumento de cariz similar em Lisboa. No ano de 1936, transmitiu esta ideia ao chamado Apostolado da Oração, com uma recepção entusiástica. Seguiu-se a sensibilização de todos os bispos do país, tendo sido obtida a proclamação oficial do desígnio no ano seguinte, na Pastoral Colectiva da Quaresma.

O monumento a Cristo-Rei foi também edificado em cumprimento de um voto formulado pelo Episcopado Português reunido em Fátima a 20 de Abril de 1940, pedindo a Deus que livrasse Portugal de participar na Segunda Guerra Mundial. Salazar, não quis violar a velha amizade com o Reino Unido, que data do século XIV, e preferiu manter a neutralidade, não tendo Portugal participado na referida guerra.

A primeira pedra da construção do monumento foi lançada em 18 de Dezembro de 1949, após o fim da guerra. Foi inaugurado a 17 de Maio de 1959, dia de Pentecostes, na presença dos cardeais do Rio de Janeiro, de Lourenço Marques e de cerca de 300 mil pessoas, entre autoridades oficiais e cidadãos anónimos. O Papa João XXIII não esteve presente na cerimónia, mas enviou uma mensagem de rádio, que foi então transmitida. Na altura, o Cardeal Cerejeira afirmou que o monumento seria sempre um sinal de gratidão pelo dom da paz.

Por altura da celebração do 25º aniversário, em 1984, foi aprovado um plano de ordenamento dos terrenos circundantes, do qual resultou a construção do edifício de acolhimento do santuário hoje existente. Nesse edifício, funcionam ainda a reitoria e os serviços administrativos, possuindo o mesmo uma capela e diversas salas para exposições e reuniões.

Em 1999, a Diocese de Setúbal passou a tutelar o santuário. Entre Maio de 2001 e 1 de Fevereiro de 2002, foi submetido a obras de restauro.

Em 17 de Maio de 2007, foi inaugurada a chamada Sala Beato João XXIII, contendo 8 quadros inspirados pela encíclica Pax in Terris, da sua autoria. No mesmo dia, foi colocado diante do monumento a Cruz Alta, antigamente pertencente ao Santuário de Fátima, na sequência da construção da nova basílica daquele local de peregrinação.
 




O Cristo-Rei é um monumento religioso localizado na freguesia do Pragal, no concelho de Almada, em Portugal.

Situa-se a uma altitude de 113 metros acima do nível do Tejo, sendo constituído por um pórtico projectado pelo arquitecto António Lino, com 75 metros de altura, encimado pela estátua do Redentor de braços abertos voltado para a cidade de Lisboa, com 28 metros de altura, obra do escultor português Francisco Franco de Sousa. O pedestal, incluindo o pórtico, eleva-se a 82 metros de altura. O monumento a Cristo-Rei constitui a maior atracção turística do concelho de Almada, a seguir às famosas praias da Costa de Caparica. É de visita obrigatória a todo o turista que visite Lisboa.

Este monumento é o melhor miradouro da cidade de Lisboa, oferecendo uma ampla vista sobre a capital e sobre a Ponte 25 de Abril. Em numerosas reportagens turísticas sobre Lisboa, surge o monumento a Cristo-Rei, ex-líbris de Almada.
 




Ponte 25 de Abril

A Ponte 25 de Abril, também conhecida como Ponte sobre o Tejo, foi inaugurada em 1966 com o nome Ponte Salazar, em memória ao ditador que a mandou construir. Mais tarde, a ponte recebeu o actual nome em homenagem à 'Revolução dos Cravos' que aconteceu a 25 de Abril de 1974. Este foi um dia de revolução "não sangrenta". Na Revolução dos Cravos, os soldados puseram cravos no cano das suas armas e revoltaram-se contra a ditadura mais longa do mundo.

Esta ponte é muito parecida à Ponte Golden Gate em São Francisco. Tem 2.278km de comprimentos e parte do cimo de Lisboa, mais precisamente de Alcântara e termina em Almada, na margem sul do rio.

Sendo particularmente procurada aos fins-de-semana, aproveite e evite os congestionamentos e vá pela recentemente construída Ponte Vasco da Gama, ou deixe o seu carro num parque de estacionamento e apanhe o comboio que passa na parte de baixo da ponte desde 1999.

Já no lado de Almada poderá ver o monumento do Cristo Rei, semelhante ao Redentor no Brasil, virado para o Tejo. Se desejar visitar o Cristo Rei, terá que subir de elevador até cerca de 82m de altitude e, uma vez lá, de certeza que ficará completamente fascinado com as vistas que pode ver sobre a cidade e sobre o rio.